“A fome dói”, diz moradora de Joinville que escolhe entre comprar comida e pagar contas

Na cidade, 22.120 pessoas vivem na extrema pobreza; confira situação em cada bairro

“A fome dói”, diz moradora de Joinville que escolhe entre comprar comida e pagar contas

Na cidade, 22.120 pessoas vivem na extrema pobreza; confira situação em cada bairro

Lucas Koehler

“A fome dói. Com fome você não vive, não dorme, não tem paz. Se o estômago ronca, dói a cabeça”. É assim que Zilda Alves, de 48 anos, moradora do bairro Paranaguamirim, zona Sul de Joinville, explica a dificuldade de não saber se terá o que comer todos os dias.

Desempregada há um ano, após ser demitida, ela diz não conseguir voltar ao mercado de trabalho por conta de dores na perna direita, causada pela diabete. Com Zilda, em uma casa de madeira, sem forro e chão de barro, moram dois netos e duas filhas.

Uma das suas crias é Diana Calistro, de 24 anos. Empregada como auxiliar de limpeza, a jovem é a única que consegue levar renda para a família: R$ 1,8 mil por mês. Em agosto, com o dinheiro insuficiente, as cinco pessoas se viram em um dilema: comprar comida ou pagar a conta de água. Com o estômago exigindo ser saciado, as torneiras secaram.

As refeições, apesar de realizadas, não são adequadas. Pela manhã, a alimentação é formada por bolinhos de massa ou ovos com farinha. O mesmo se repete no café da tarde. Já no almoço, carne é raridade. “Quase sempre é feijão, arroz, repolho e, quando dá, linguiça”, conta, enquanto um dos filhos caminha pela casa gritando “fome, fome, fome”.

Diana Calistro come bolinhos de massa no café da manhã e da tarde | Foto: Lucas Koehler/O Município Joinville

Apesar de ter o básico, alguns produtos desapareceram da geladeira e armários. “Falta leite, bolacha, legumes e saladas”, lamenta.

Elas explicam que a situação piorou nos últimos meses. Antes, havia botijão de gás reserva e duas caixas de leite na geladeira. Atualmente, o fogão é a lenha e as opções de comida são escassas. “Nunca tinha faltado nada. Agora, principalmente a carne, não comemos como antes”, explica.

Entre os dias mais dolorosos, foram os que não haviam alimentos para as crianças. “Tive que sair pedindo emprestado. Mês passado não tinha pão, as crianças sem nada para comer”, compartilha Diana.

Diana mora em uma casa nos fundos do terreno de sua mãe, Zilda Alves | Foto: Lucas Koehler/O Município Joinville

Para Zilda, o principal desejo é a realização de ter o prato e a barriga cheios. “Queria poder sentar na mesa e me alimentar direito, dormir e saber que teremos comida no dia seguinte”, reflete.

Receber salário também não faz parte do seu cardápio. “Eu sei o que é ter a sensação de chegar dia 6 e não ter pagamento para comprar comida”, complementa, com o olhar distante.

Comida “contadinha”

Aos 71 anos, a ex-catadora de reciclados, Filomena da Silva, também moradora do Paranaguamirim, vive com R$ 900 mensais, quantia que recebe após a morte de seu marido. Com o dinheiro, ela precisa compra comida, pagar R$ 200 de luz, R$ 100 de água e a parcela da casa, uma moradia simples, também de madeira e com poucos móveis dentro. “Não sei como as contas são tão altas, não temos nada aqui”, questiona.

Sob o mesmo teto moram oito pessoas, divididas em adultos e crianças, filhos e netos. Entre elas, uma menina, que fará 1 ano em setembro, adotada por uma das filhas, após a mãe do bebê falecer. A neta não pode comer alimentos com glúten, sendo assim, a situação se torna ainda mais difícil. “É tudo mais caro. Já tive que pedir para uma vizinha fazer o pão especial dela, senão não teria o que ela comer”, conta.

Filomena da Silva trabalha tem uma renda mensal de R$ 900 | Foto: Lucas Koehler/O Município Joinville

A idosa reclama que vai ao mercado com R$ 100 e compra poucas coisas. “Só arroz, feijão e, às vezes, um pedacinho de carne”, diz. As doações, que a salvam, nem sempre chegam. “Nunca fiquei sem comer, mas é sempre contadinho”, complementa.

A situação, segundo ela, está mais difícil neste ano. “Piorou muito. Tudo está caro. A comida, o remédio. Eu tenho asma, sem dinheiro para a ‘bombinha’ eu já não estaria mais aqui”, explica.

Filomena diz que a atual quantidade que come é baixa. “Deveria ter mais, mas comemos pouco para não faltar para amanhã”, lamenta. Além da quantia pequena, a variedade é minúscula. Sem saladas, frutas e verduras no menu, explicar a situação para as crianças é um obstáculo. “Elas comem na escola e dizem que gostam, faz muita falta ter isso no prato, mas não temos dinheiro para comprar”, justifica.

Sentada na cabeceira da mesa, a idosa resume seu sentimento diário, enquanto lágrimas pingam sobre o móvel: “a fome me causa medo”, finaliza.

Filomena depende de doações para não passar fome | Foto: Lucas Koehler/O Município Joinville

Fome: um prato indesejado

Fraqueza, doenças e desempenho ruim em diferentes âmbitos da vida. Passar fome ou não ter uma alimentação adequada pode causar prejuízos profundos nas pessoas. É o que diz a nutricionista Verônica Petry. De acordo com ela, a primeira consequência da falta de nutrientes é o enfraquecimento do sistema imune, que pode gerar problemas gástricos, pneumonia, atrasos na saúde mental, alterações sociais e, em crianças, problemas no crescimento.

Comer poucas variedades, além de feijão, macarrão e arroz, por exemplo, também é um problema. “Os micronutrientes ficam baixos sem frutas. Sem a vitamina B12, que vem das carnes, é possível perder a memória a longo prazo. Já a B9 faz parte dos processos de criar DNA, nutre o cérebro. A falta de ferro gera anemia”, aponta.

Em agosto, Verônica viralizou nas redes sociais após publicar que atendeu uma criança, de 10 anos, moradora de Joinville, que afirmou só comer arroz e feijão para evitar que a mãe gastasse dinheiro comprando carne, já que o preço está caro.

Publicação de Verônica teve mais de 260 mil curtidas | Foto: Reprodução/Redes sociais

A nutricionista explica que, após atender pacientes nesta situação, a sensação é de choque e tristeza. “Tento mostrar para a família que não é normal e nem culpa delas. Mostro o quão é importante e fundamental é uma nutrição adequada”, salienta.

Para ela, a fome é um problema público. “A cidade vai decaindo em qualidade de ensino, trabalho e lazer. Faz com que a sociedade pare de produzir”, ressalta.

Pobreza em Joinville

De acordo com dados do Cadastro Único, em 2014 haviam 74.490 moradores de Joinville cadastrados no sistema. O número chegou a 71.132 em 2017. Mas, em julho deste ano, a situação piorou, somando 83.100. Se comparado a oito anos atrás, a diferença é de 8.610 joinvilenses a mais, o que representa um aumento de 11,5%.

Contando os dados em número de famílias, em 2014, eram, ao todo, 24.052. Atualmente, o número subiu de patamar, atingindo 31.782. Um aumento de 32%.

Com dados de julho deste ano, em Joinville, 22.120 pessoas vivem na extrema pobreza, ou seja, com renda per capita de até R$ 89; outras 9.943 recebem, no máximo, R$ 178 por mês, inseridas na categoria pobreza.

Segundo dados da Secretaria de Assistência Social, em maio de 2021, cinco bairros de Joinville tinham mais de 450 famílias em situação de extrema pobreza:

  • Paranaguamirim: 925;
  • Anita Garibaldi: 570;
  • Aventureiro: 544;
  • Jardim Paraíso: 505;
  • Ulysses Guimarães: 470.

Já em situação de pobreza, os cinco bairros com mais famílias eram:

    • Paranaguamirim: 440;
    • Jardim Paraíso: 259;
    • Aventureiro: 214;
    • Jardim Iririú: 177;
    • Comasa: 158.

Líder nos dois rankings, o Paranaguamirim tem, somadas em situação de pobreza e extrema pobreza, 1.365 famílias.

Em agosto, segundo dados da Prefeitura de Joinville, o preço da cesta básica na cidade teve um aumento de 4,05% em relação a julho. O valor médio é de R$ 253,45.

Os moradores precisaram desembolsar, no mínimo, R$ 203,74. Porém, na cidade o kit chegar a custa até R$ 303,66.

Entre os alimentos com maior aumento no custo estão a batata (55%), presunto cozido (28%), banana caturra (24%) e o achocolatado, de 400 gramas (22%).

O sabor da solidariedade

Criado para diminuir os impactos da pandemia da Covid-19 nas famílias joinvilenses, o Comitê Popular Solidário Contra o Coronavírus se tornou em um ponto de referência para doações de cestas básicas para moradores em situações de dificuldades extremas.

Formado por movimentos sociais, sindicatos, partidos políticos e voluntários, o grupo priorizou esse tipo de ajuda quando famílias entraram em contato pedindo comida, de maneira urgente.

Entre as ações já promovidas, estão um drive thru, realizado em abril deste ano, quando foram arrecadas três toneladas de alimentos. A outra atividade que ganhou destaque foi a doação de 13 mil quilos de comida do Movimento Sem Terra (MST), em agosto. “Foi uma ação fantástica”, afirma Almir Ramalho, integrante do Comitê Solidário.

Drive thru realizado em abril deste ano | Foto: Comitê Popular Solidário Contra o Coronavírus/Divulgação

Ele ressalta que doações precisam ser feitas cada vez mais e em maior número. “A fome está crescendo. Vemos isso nas ruas, nos semáforos e, principalmente, nas periferias”, sinaliza.

Associação Ecológica de Recicladores e Catadores de Joinville recebeu doação de alimentos do MST | Foto: Comitê Popular Solidário Contra o Coronavírus/Divulgação

O Comitê pretende realizar mais um evento em formato drive thru em setembro, com objetivo de arrecadar novos alimentos. Além disso, para quem colaborar, pode realizar uma contribuição financeira, através do PIX, pela chave: comitesolidariojoinville@gmail.com.

A Paróquia São Miguel Arcanjo, no bairro Paranaguamirim, também recebe doações, inclusive de alimentos. Os interessados podem ir até o local, localizado na rua Paulo Roberto Anastácio, número 1170; ou entrar em contato pelo telefone (47) 3463-7590.


Receba notícias direto no celular entrando nos grupos de O Município Joinville. Clique na opção preferida:

WhatsApp | Telegram


• Aproveite e inscreva-se no canal do YouTube

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo