+

Consumidora de Joinville que adquiriu chocolates com larvas é indenizada

Jovem vai receber cerca de R$ 8 mil

Consumidora de Joinville que adquiriu chocolates com larvas é indenizada

Jovem vai receber cerca de R$ 8 mil

Redação O Município Joinville

Uma moradora de Joinville encontrou larvas vivas nos bombons que adquiriu em setembro de 2015. Por conta disso, a 7ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em recurso sob a relatoria do desembargador Carlos Roberto da Silva, confirmou o dever de indenizar da indústria que produz o bombom em favor da consumidora. A indenização pelo dano moral foi avaliada em R$ 8 mil, acrescidos de juros e de correção monetária.

A consumidora adquiriu 12 bombons da marca Sonho de Valsa e duas unidades de Ouro Branco. Já na primeira unidade, ela encontrou larvas vivas no interior do chocolate e ao abrir as outras embalagens comprovou que todos estavam estragados. A mulher abriu uma ação de dano moral contra a Modelez Brasil, empresa que produz o chocolate.

Inconformada com a sentença do magistrado Eduardo Felipe Nardelli, a indústria recorreu ao TJ-SC. A empresa alegou que a consumidora não informou o número do lote, a data de fabricação e a validade, o que tornou impraticável qualquer tentativa de rastreamento sobre os produtos. Sustentou que não foi comprovado a ingestão do bombom e o dano à saúde, porque não há prontuário médico. 

“E no caso dos autos há indícios de que autora chegou a consumir o produto, conforme se infere das fotografias por ela juntadas à inicial. Ainda que assim não o fosse, em decisão recente o Superior Tribunal de Justiça se manifestou no sentido de ‘ser irrelevante, para fins de caracterização do dano moral, a efetiva ingestão, pelo consumidor, do produto considerado impróprio para o consumo, em virtude da presença de corpo estranho no alimento, pois, invariavelmente, estará presente a potencialidade lesiva decorrente da aquisição do produto contaminado’”, anotou o relator em seu voto.

A sessão foi presidida pelo desembargador Álvaro Luiz Pereira de Andrade e dela também participou o desembargador Osmar Nunes. A decisão foi unânime.

Leia também:
1. VÍDEO – Cidade do Norte Catarinense fica destruída após chuva
2. Döhler abre mais de 200 vagas de emprego em Joinville
3. Corpo é encontrado em cachoeira em São Bento do Sul
4. Apoio de Jorginho Mello a Bolsonaro afeta relações com governo federal
5. Cachorro preso em vala é resgatado pelos bombeiros em Mafra


PREPARE-SE PARA UMA VIAGEM NO TEMPO!
No dia 9 de março você vai conhecer a história por trás de casarões históricos de Joinville, em conteúdo inédito e exclusivo. Assista à prévia!

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo