Famílias de Joinville passam necessidade durante a pandemia do coronavírus

“Me sinto fracassado”, diz pai de família que não consegue emprego

Famílias de Joinville passam necessidade durante a pandemia do coronavírus

“Me sinto fracassado”, diz pai de família que não consegue emprego

Sabrina Quariniri

A quinta-feira terminou sem grandes notícias para Gilberto Vieira, 42 anos, que saiu mais um vez à procura de emprego e voltou sem novas expectativas. Com fome, dor nas costas e nos pés após andar cerca de 15 quilômetros, faz o mesmo roteiro diariamente desde que saiu de sua cidade natal, Belém do Pará, para vir a Joinville em busca de dar melhores condições de vida à família. 

Desempregado desde janeiro, a única renda fixa que a família, composta pela sogra e por três filhos uma menina de 3 anos, e dois meninos de 5 e 8 tem é a da esposa de Gilberto, que trabalha em uma fábrica e ganha R$ 1,5 mil.

“Estamos com quatro meses de aluguel atrasado, o que tem na despensa dá pra mais três dias só. A geladeira de casa tá que nem a minha barriga, com fome. Olha, eu me sinto um fracassado. Corro pra um lado, corro para o outro e não consigo nada”, afirma. 

Sabrina Quariniri/O Município Joinville

A história de Gilberto está longe de ser única no município. De acordo com a Secretaria de Comunicação (Secom) da Prefeitura de Joinville, durante o período de pandemia, 87 toneladas de alimentos foram distribuídas a famílias do município. Além disso, por meio da Central de Teleatendimentos, a Secretaria de Assistência Social (SAS), distribuiu, até o momento, cerca de 7 mil cestas básicas.

Auxílio-emergencial negado

A esposa de Gilberto, Elisane, conseguiu se cadastrar para receber o auxílio-emergencial de R$ 600 do Governo Federal. Com a primeira parcela depositada mais o salário da mulher, conseguiram pagar uma fatura do aluguel atrasado, água, luz e comprar o restante em comida. 

Gilberto também tentou o benefício, mas teve o pedido negado com a justificativa de que um membro da família já estava cadastrado. 

De acordo com o Dataprev, 8,3 milhões de CPFs foram considerados elegíveis para o benefício, porém, no Brasil, 36,8 bilhões de pessoas já tiveram o auxílio emergencial negado.

A única saída encontrada por ele foi rodar pelas ruas da cidade, a pé, pois, em suas palavras, “não tem dinheiro para comprar nem uma roda, quem dirá uma bicicleta”. Com  as moedinhas que sobram de troco das idas ao supermercado, Gilberto conseguiu imprimir cerca de 40 currículos.

Mantimentos que a família tem na despensa / Foto: Arquivo pessoal

A busca por emprego

Nos últimos dias, com a queda na temperatura, Gilberto teve de emprestar dinheiro do irmão para comprar uma calça, já que vem de uma região que não faz tanto frio e não tinha roupas de inverno. Para as crianças, a esposa conseguiu, no começo do mês, comprar um conjunto mais quente. 

“Eles usam de dois a três dias a roupa. Na hora de lavar, manda todo mundo pro sol pra aquecer, depois veste de novo”, diz.

Para sobreviver, a família tem pedido comida aos vizinhos e priorizado mais a alimentação dos filhos. Gilberto conta que nunca passou por uma situação nem parecida com a que enfrenta hoje e, mesmo cansado e com fome, segue firme na busca por emprego.

Na manhã em que conversou com a reportagem, conseguiu dinheiro emprestado com um conhecido para comprar doces e vender no sinal. Se a situação não melhorar nos próximos meses, terá de mandar os filhos para viver com a avó no Pará. 

Sabrina Quariniri/O Município Joinville

“Eu tô só com café e bolacha desde de manhã. Mas quem me dera se o telefone tocasse agora e pedissem pra eu voltar onde deixei currículo. Eu voltaria imediatamente”, afirma. 

Gasto com aluguel

O marido de Ana*, 26, recebeu a primeira parcela do auxílio emergencial no mês de abril e, com o dinheiro, teve de pagar o aluguel atrasado, de R$ 500. Com o restante, compraram comida e remédios para a filha, de 3 anos.

“Eu não recebo Bolsa Família e a segunda parcela do auxílio não caiu ainda neste mês. Precisamos comprar comida e a maioria do dinheiro vai no aluguel”, conta Ana.

A dona de casa diz que tentou fazer o cadastro na assistência social do bairro, mas quando foi o local estava fechado e não conseguiu contato por telefone. Agora, aguarda a resposta do seu pedido do benefício do governo federal, que deu entrada há três meses.

“É desesperador ver a minha filha pedindo comida e não ter pra dar. Por enquanto, os vizinhos tem nos ajudado, mas não sabemos até quando. É uma situação que não desejo pra ninguém”, diz.

Sem renda

Maria*, 43, está sem renda desde que foi dispensada do seu emprego de cozinheira, há três meses. Sem a ajuda do pai dos filhos, sustenta sozinha os meninos de 9 e 12 anos, vendendo bilhetes da Trimania na zona sul de Joinville.

Todos os dias, ela deixa os meninos em casa e fica das 8 horas às 11 horas pelas ruas do bairro vendendo seus bilhetes. Depois, retorna para casa, faz a comida que tem no armário e volta ao trabalho, onde fica até o anoitecer.

“Eu ganho R$ 1,20 por cada Trimania que vendo. A sorte é que não pagamos aluguel, mas às vezes eles (os filhos) precisam de coisas que não posso dar. Por isso, faça chuva ou faça sol, eu vou trabalhar. Faço tudo por meus filhos”, conta.

No último mês, o dinheiro arrecadado com os bilhetes não foram o suficiente para pagar as contas e comprar comida, mas Maria conseguiu uma cesta básica na Assistência Social de Joinville.

“Minha conta de luz está atrasada e não sei se vou ter dinheiro pra comida no próximo mês. Nunca passei por isso antes, me sinto desesperada. Eu só queria que a nossa vida voltasse ao normal”.

Especialista considera ação de governos insuficiente

Para o doutor em sociologia Dauto da Silveira, tanto o plano emergencial do governo federal quanto programas municipais são importantes, mas insuficientes diante da crise.

Silveira afirma que o governo federal destinou 1,2 trilhões para o sistema financeiro, via medidas de liquidez, e 60 bilhões de dólares via Reserva Federal, para salvamento dos bancos, valor que não se compara ao repassado aos trabalhadores. 

“Para os trabalhadores foram R$ 600 do programa emergencial, durante três meses. Tudo isso é insuficiente diante do profundo abalo da crise que vivemos. É lamentável, essas famílias ficarão submetidas a migalhas”, explica. 

O sociólogo afirma que a pandemia ajudou a aprofundar uma crise econômica que já existia no país e critica a retomada das atividades econômicas. Ele defende que os governos teriam que garantir a subsistência dos trabalhadores com rendas dignas.

“Qual a razão de produzir carros, motores, roupas em meio ao tormento e ao desespero trazido pela pandemia? A produção, neste momento, não poderia ser uma atividade para a obtenção de lucros e sim para a manter a existência de todos”, diz. 

*Entrevistadas não quiseram se identificar

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo