+

Polícia divulga detalhes de operação em gabinetes de vereadores em Joinville

Dois mandados de prisão foram cumpridos e uma pessoa presa em flagrante

Polícia divulga detalhes de operação em gabinetes de vereadores em Joinville

Dois mandados de prisão foram cumpridos e uma pessoa presa em flagrante

Fred Romano | Revisão

A Polícia Civil divulgou mais informações sobre a operação em gabinetes de vereadores em Joinville. A operação Profusão foi realizada na manhã desta quinta-feira, 30. O vereador Mauricinho Soares (MDB) é um dos investigados.

Segundo a Polícia Civil, a operação foi realizada pela 3ª Decor — Delegacia Especializada no Combate à Corrupção. Foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão, dois mandados de prisão e duas ordens de suspensão do exercício de atividade econômica. A operação também teve ações em Araquari.

A investigação visa apurar a suposta prática de falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistema de informações e organização criminosa. Os crimes teriam sido cometidos por agentes públicos visando beneficiar condutores de veículos automotores penalizados com suspensão do direito de dirigir.

Conforme apurado pela 3ª Decor, os supostos autores dos fatos orquestraram um esquema ilícito que possibilitou a inserção de inúmeras informações falsas nos sistemas da Autarquia Estadual de Trânsito, possibilitando que mais de 100 condutores fossem indevidamente beneficiados com a liberação de penalidades a eles aplicadas.

Dentre os investigados estão agentes públicos terceirizados do Detran-SC, um despachante e pessoas a ele vinculadas, um vereador de Joinville e um agente ligado a um escritório de advocacia especializado em multas de trânsito.

As buscas foram realizadas nas residências dos investigados e em seus locais de trabalho, tais como um escritório de advocacia, a 2ª Ciretran-Joinville e a Câmara de Vereadores de Joinville. Nos locais, foram apreendidos aparelhos eletrônicos, especialmente telefones celulares, e documentos relacionados aos fatos sob apuração.

Foto: Polícia Civil/Divulgação

Ademais, foi apreendida uma arma de fogo e munições, o que ocasionou na condução para análise de prisão em flagrante delito de um dos alvos da operação policial.

Presidente da Câmara se pronuncia

O presidente da Câmara de Vereadores de Joinville, Diego Machado (PSDB), publicou em seu Instagram uma nota se manifestado sobre o caso. Ele ressalta que a operação é realizada nos gabinetes, e não contra a Câmara. “Como presidente estamos dando todo apoio e suporte”, comentou.

Quando questionado sobre os vereadores envolvidos na operação, Diego afirmou que a Polícia Civil divulgará os nomes posteriormente. “Para não atrapalhar os trabalhos, os nomes vamos aguardar o pronunciamento do delegado”, disse.

Apesar disso, conforme apurado pela reportagem do jornal O Município Joinville, Mauricinho é alvo da operação da Polícia Civil e, junto a Claudio Aragão (MDB), de outra operação do Gaeco do Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC).

A reportagem do jornal tentou contato com os dois vereadores e suas equipes. A equipe de Mauricinho afirma que não tinha informações sobre a operação e que não conseguiu contato com ele na manhã desta quinta-feira.

A assessoria de Claudio Aragão afirma que o vereador está em casa. O parlamentar não se pronunciará no momento, por aguardar mais detalhes sobre a operação.

*Notícia atualizada às 10h37 de 30/11/2022: adicionada informações repassadas pela assessoria de Claudio Aragão.


Assista agora mesmo!

Fotos até em velório? No Bar da Zenaide, fotógrafo conta histórias inusitadas de trabalhos já feitos:

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo