+

Corpo estranho em jazigo de família resulta em condenação de cemitério em Joinville

Prefeitura de Joinville e empresa de cemitérios condenadas a indenizar família em R$ 5 mil

Corpo estranho em jazigo de família resulta em condenação de cemitério em Joinville

Prefeitura de Joinville e empresa de cemitérios condenadas a indenizar família em R$ 5 mil

Fred Romano | Revisão

A 3ª Vara da Fazenda Pública de Joinville determinou que a prefeitura e a empresa responsável pela gerência de cemitérios removam os restos mortais de uma mulher enterrada em jazigo pertencente a outra família no cemitério do Cubatão. A sentença também condenou os réus a indenizar em R$ 5 mil a autora da ação.

O caso ocorreu em agosto de 2019, quando uma mulher foi sepultada em um jazigo já adquirido pela autora da ação. Ela havia enterrado no local sua mãe e seu pai, que morreram em 1988 e 1995. O terceiro corpo não tinha relação com a família da autora e foi posto no local sem seu conhecimento. A requerente alegou nos autos que ficou muito abalada com a situação, pois, caso falecesse nos próximos cinco anos, não poderia ser sepultada no mesmo jazigo de seus pais.

Conforme os autos, legislação municipal diz que a ocupação nos cemitérios públicos deve se dar por meio de concessão de direito real de uso remunerada, em que o interessado, mediante pagamento, adquire o direito de uso do lote por cinco anos. Ao fim desse prazo, o terreno mortuário poderá ser retomado pelo município por inadimplência, abandono ou descumprimento contratual.

Conforme a sentença, não há prova de que houve o devido processo administrativo para a desconstituição da concessão do jazigo, o que, em que pese tenha sido concedido em caráter assistencial, não exime o órgão municipal responsável de instaurar o procedimento.

A autora alegou que a identificação do jazigo foi furtada do cemitério e que não teve condições de providenciar uma nova. Mas, ainda assim, documentos demonstram que o município sabia a quem pertenciam os restos mortais lá enterrados e que não eram autorizados sepultamentos de extrafamiliares.

“É razoável admitir que o município tem os meios adequados de averiguar quem são as pessoas enterradas em determinado lote, assim como deve manter em ordem o registro a fim de evitar equívocos como este, despontando evidente falha na prestação do serviço”, destaca a sentença.

Leia também:
1. Park Tupã anuncia encerramento após 48 anos de atividade
2. “Emocionante”: conheça família de bombeiros que participou junta de desfile de 7 de setembro em Joinville
3. Novas alterações no trânsito da rua Ottokar Doerffel, em Joinville, serão realizadas neste feriado
4. Joinville sedia evento com provas de inteligência artificial, robôs autônomos e drones
5. Homem é preso por tentar matar homem após discussão no trânsito em Joinville


Assista agora mesmo!

Conheça o Palacete Dória em Joinville; local possui peças em bronze, prata e marfim:

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo