+

MPT abre ação pública contra faculdade que demitiu professora em Joinville

Além disso, órgão quer que a instituição pague indenização coletiva

MPT abre ação pública contra faculdade que demitiu professora em Joinville

Além disso, órgão quer que a instituição pague indenização coletiva

Yasmim Eble

O Ministério Público do Trabalho (MPT) abriu uma ação pública contra a Faculdade Ielusc, de Joinville, após a professora Maria Elisa Máximo ser demitida ao fazer uma publicação em seu perfil pessoal contra o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) nas redes sociais. O órgão também quer que a faculdade pague indenização coletiva em R$ 500 mil.

O processo ainda não foi julgado. No documento, o MPT alega que a instituição reprimiu a livre expressão dos funcionários com ameaças de demissões. O órgão critica a decisão do Ielusc em recomendar que os profissionais, incluindo professores, não se manifestem politicamente. 

Foi recomendado também ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) que, acatada a decisão, o Ielusc emita um comunicado ressaltando que reconhece o direito de seus empregados de se manifestarem livremente. Em caso de descumprimento, a instituição deverá ser multada em R$ 100 mil. 

O MPT também pediu à faculdade que se abstenha de efetuar demissões e aplicar penalidades em razão de manifestações nas redes sociais particulares dos trabalhadores. 

A reportagem do jornal O Município Joinville entrou em contato com o Ielusc, que preferiu não se manifestar. No documento, a instituição ressaltou que não demitiu a professora por questões políticas, e sim por ofender os joinvilenses.

Sobre o andamento do processo, a reportagem entrou em contato com a defesa da professora  Maria Elisa Máxima, mas até o fechamento da reportagem não teve retorno.

Relembre o caso

A professora Maria Elisa Máximo foi afastada da instituição no dia 3 de outubro após ter uma publicação repercutida por políticos e influenciadores da cidade. No post, a professora critica o atual governo federal e os apoiadores.

“Joinville sendo o esgoto do bolsonarismo, para onde escoou os resíduos finais da campanha imbroxável do inominável. Não tem quem escape: há gente brega, feia e fascista pra todos os lados”, escreveu a professora em seu perfil pessoal no Twitter, no dia 1º de outubro. A postagem foi apagada.

Após duas semanas de afastamento, a administração da faculdade decidiu demitir a professora que foi recolher os pertences no dia 18 de outubro. Os alunos que discordaram da decisão decidiram organizar uma manifestação com cartazes e gritos contrários à demissão.

Leia também:

1. VÍDEO – Jovem morre após motorista furar sinal durante fuga em Joinville
2. Luciano Hang se destaca em lista da Forbes dos mais ricos do Brasil; confira ranking de bilionários em SC
3. Briga entre vizinhos durante almoço acaba com homem assassinado em Jaraguá do Sul
4. Homem morre após ser atropelado três vezes na BR-470, em SC
5. Fundador e diretor clínico do Hospital Infantil de Joinville morre aos 67 anos

– Assista agora:
Região de Joinville já era habitada há 10 mil anos: conheça os quatro povos anteriores à colonização

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo