+

Saiba a opinião dos candidatos de Joinville a deputado estadual sobre estadualização do Hospital São José

Assunto tem sido muito debatido pelas autoridades da maior cidade de Santa Catarina

Saiba a opinião dos candidatos de Joinville a deputado estadual sobre estadualização do Hospital São José

Assunto tem sido muito debatido pelas autoridades da maior cidade de Santa Catarina

Bernardo Gonçalves

A estadualização do Hospital São José é um tema que vem sendo discutido e reivindicado por políticos em Joinville. O assunto repercute principalmente na Câmara de Vereadores devido aos altos custos que o hospital tem para a Saúde do município.

Uma das demandas da Prefeitura de Joinville é estadualizar a folha de pagamento do Hospital São José. O prefeito Adriano Silva (Novo), inclusive já conversou com o governo do estado sobre o assunto no ano passado e recentemente reforçou essa necessidade em reunião na Associação Empresarial de Joinville (Acij).

O jornal O Município Joinville perguntou aos candidatos com domicílio eleitoral em Joinville a deputado estadual nas Eleições 2022 se eles são contra ou a favor da estadualização do Hospital São José.

O questionamento foi enviado a todos os 57 candidatos com um prazo para o envio as respostas. As respostas foram mantidas na íntegra, sendo corrigidos apenas eventuais erros de digitação ou ortográficos.

De todos os candidatos, somente Edson Mateus (Avante) não quis responder. Já Adriana Haskel (Avante), Carla Roberta (Avante), Dai Freitas (Avante), Eneida Pereira (PP), Grazi Silva (Rede), Mauricio Soares (Pros), Nera (PDT), Sagui Jornaleiro (Rede) e Wilsimar Rocha (Solidariedade) não responderam no prazo estipulado.

Você é a favor ou contra a estadualização do Hospital São José? Por que?

Adilson Girardi (MDB)

Sou contra a estadualização do Hospital São José. Porém, sou a favor de que o Estado se comprometa a assumir o repasse da folha salarial integral para a Prefeitura de Joinville. Hoje o São José atende, além de Joinville, outros 30 municípios da região. Mas a conta quem paga é Joinville. Entendemos que a estadualização irá de certa forma piorar os serviços de saúde.

Temos como modelo o Hospital Regional, que funciona de forma precária, porque o Estado falha no repasse de recursos, falha na fiscalização dos serviços e não consegue atender de forma satisfatória a população, principalmente em relação às cirurgias eletivas. É preciso melhorar bastante nesta área.

Anelisio da Assessoritec (PP)

Sou a favor. Seria uma forma de desonerar o município de Joinville que precisa atender toda a região no hospital. Cerca de 30% do orçamento de Joinville é destinado para a saúde e quase a metade dessa fatia vai para custear as despesas do hospital.

Valorizo a excelência do nosso Hospital São José, um lugar de referência para a maior parte da população que depende do SUS. Está na hora do Estado ajudar a pagar essa conta. A folha de pagamento do hospital é muito cara, pois atende alta complexidade e absorve toda a demanda da nossa região.

Ari Espindula (PRTB)

A estadualização desse hospital precisa ser analisada de forma séria e inteligente, inclusive entre os candidatos a governador de Santa Catarina nas eleições deste ano. É necessária a mobilização dos vereadores da cidade e deputados da cidade, independentemente de bandeiras partidárias, pois se trata de uma causa da cidade.

Bete Werner Quandt (PSD)

Totalmente a favor. Hoje, o Hospital São José, apesar de ser administrado pelo município, já faz o papel de atendimento regionalizado, visto que é referência em traumatologia, oncologia, AVC, CTQ e transplantes. Logo, ele já é, na prática, regional, mas sua gestão ainda é arcada pelo município. Passar o hospital para a gestão da Secretaria de saúde é uma questão de justiça, pois ele já faz o papel que caberia ao estado.

Carla Baumer (PSC)

Sou a favor da estadualização do Hospital São José, pois o mesmo recebe muitos pacientes de outras cidades, outras comarcas e hoje está sendo praticamente mantido pelo município, sobrecarregando assim a Prefeitura de Joinville. Onde também sobrecarrega a unidade de saúde. Creio que o valor destinado ao São José para sua manutenção e pagamento de funcionário deve vim direto do governo estadual ou uma parceria entre as partes para não ser sobrecarregado o município financeiramente.

Carolline Sardá (Psol)

A saúde é um direito fundamental que deve ser de responsabilidade comum entre Estado/União e Município. Propomos a manutenção da universalidade e gratuidade do serviço e a valorização dos profissionais, através do piso nacional e plano de carreira. Os vereadores de Joinville em sua maioria querem simplesmente passar a obrigação exclusiva ao Estado e os deputados no debate da ‘estadualização’ fogem da responsabilidade ao dizer que o governo de SC não pode suportar mais que 30% da folha de pagamento.

Tais argumentos servem para aprofundar a crise de sucateamento e desmonte da saúde e tentar justificar a privatização via as OS como solução. Negam-se à defesa do serviço público, universal e gratuito de saúde e propõem uma alternativa que encarece o serviço, o que o torna inacessível a uma parte da população, não mais um direito. Defendemos a busca de uma saída pelo compromisso inadiável e urgente da União, Estado e Município, seja pela manutenção da estrutura física, funcional e do excelente material humano composto por aguerridos servidores do HMSJ, como ainda dos projetos de pesquisas e extensão de ensino que merecem ser acolhidas e desenvolvidas pelo Hospital São José e parcerias de ensino na região.

Ciro Girardi (PSD)

Sou favorável a estadualização do Hospital São José pois ele é referência em traumatologia e como atende várias cidades precisa aumentar e qualificar seu atendimento.

Dalva Pazin (Novo)

O Hospital São José deve passar para administração estadual porque atende a várias necessidades regionais. Não é justo o custo do hospital ficar somente sob responsabilidade dos joinvilenses.

Deyvid Breis Boca Aberta (PSD)

Sou a favor, pois hoje praticamente somente Joinville paga a conta e não temos deputados de verdade para expor a realidade da Saúde para a sociedade e brigar de verdade por melhorias, por isso estou trazendo para Santa Catarina a blitz da saúde.

Douglas Steffen Contador (PP)

Penso que é mais que urgente que o estado contribua para com essa instituição, principalmente com a folha de pagamento. Não dá mais, para arcarmos sozinhos com essa conta e sobretudo, não da para deixar de atender a comunidade local e regional. As pessoas precisam da Saúde. Paralelamente deve ser estudado a construção de um hospital universitário no sul da cidade próximo a BR-101, desafogando nosso amado “Zeca”.

Edson Luiz Pinheiro (PSC)

Sou contra, pois deve ser gerido pelo município, onde este possui recursos e
capacidades técnicas necessárias para a total administração e manutenção do hospital.

Fernando Krelling (MDB)

Sou favorável que o estado assuma a folha de pagamento do Hospital São José, dessa
maneira, o município teria mais recursos para investir na saúde primária e atenção básica
da população.

Izaias Machado (PSDB)

Sou a favor de que pelo menos parte da estadualização do hospital seja
efetuada, devido ao atendimento do hospital receber a população de diversas
cidades vizinhas, desta forma o estado ajudaria com recursos financeiros para o
hospital.

Jacó de Freitas (Avante)

Sou a favor da estadualização do Hospital São José, pois é hospital bem complexo,
com atendimentos em diversas especialidades e atende pacientes de todo o
Estado e por conta disso, faz com que o orçamento do município acabe pesando.
Tanto é verdade que até alguns anos, o Estado repassava uma verba para auxiliar
na manutenção do Hospital e hoje não faz mais.

Se for observar as pesquisas, a cada três pacientes atendidos pelo hospital, um
é de outra cidade. Assim, pode-se se dizer que a cidade de Joinville acaba
arcando com os custos de saúde do Estado. Pela própria pesquisa realizada por
este jornal, “cerca de 30% do orçamento da cidade destinado à área da Saúde
vai para o hospital”.

Nesse sentido, em outras palavras, acredito que o Estado acabou transferindo
uma responsabilidade e os custos destinados à saúde para o município de
Joinville e isso prejudica a maior cidade do Estado que poderia destinar essa
verba, que vai para o hospital, para outras unidades de saúde e poderia atender
melhor a região e as comunidades.

Jéssica Michels (Psol)

O Hospital São José atende hoje muita gente da região de Joinville e mesmo de pessoas de outras regiões de Santa Catarina. Podemos juntos chegar em um modelo que continue deixando o nosso São José como hospital municipal, mas que o governo do estado ajude a mantê-lo funcionando como o hospital de referência que é. O que nós do Psol somos radicalmente contra é a privatização ou terceirização, que o governo Adriano Silva começou a estudar para implementar. Lutaremos para que o São José continue público e a serviço de todas as pessoas que precisarem dele.

João Rinaldi (PSB)

Sou favorável. Porque ele atende não só aos munícipes de Joinville, mas a toda uma região e presta muitos serviços de média e alta complexidade que são de responsabilidade do Estado e da União. Assim, se o Estado assumisse o HMSJ o município teria mais recursos para investir nos Postos de Saúde dos bairros, nas Policlínicas, nos PAs e na contratação de mais profissionais de saúde, ampliando o atendimento básico e dando mais atenção à saúde preventiva.

Com mais recursos disponíveis, o Município poderia investir mais no fornecimento de medicamentos, na disponibilização de consultas/exames diminuindo/zerando as filas de espera por estes procedimentos.

José (Solidariedade)

Sou contra a estadualização do Hospital São José ou passar ele para uma OS, hospitais que funcionam dessa forma, eles sempre tiveram problemas de administração. Passar para o Estado, temos por experiência os hospitais estaduais, muitos com problemas de estrutura e falta de medicação. Então já está assim, imagina passar mais um hospital, imagina passar mais um. Não queremos isto para o nosso Zequinha. É criar um consórcio entre os municípios que se utilizam dos serviços do Hospital São José. Contribuir para um bom atendimento. Brigar com o governo federal através dos deputados federais para um reajustamento da tabela SUS, que está ultrapassado.

Juliano Bueno (Rede)

Com certeza sou a favor da estadualização do Hospital São José, tanto que está na minha proposta. Se existe dinheiro para a manutenção da capital, com certeza existe dinheiro para a manutenção do Hospital São José. O estado deve assumir sua carga de responsabilidade no SUS.

Larissa Stepanhie (PCdoB)

Estadualização deve ser discutida sob o aspecto de quais condições isso se daria. O estado não quer. Mas se isso fosse aprovado, o estado faria o que o município está fazendo, que é a implementação de OS’s, organizações privadas para gerir o nosso hospital, com a desculpa que não tem verba.

Mas sabemos também que a implantação de OS é prejudicial pros profissionais que ali trabalham, precarizando o ambiente de trabalho e também na prestação de serviço. Minha opinião é cobrar um aporte maior do estado para subsidiar as atividades do Hospital São José, que é referência não apenas em Joinville, mas pro norte catarinense.

Lioilson (União)

Sou a favor da estadualização, já que a folha de pagamento com os funcionários do Hospital Municipal São José e os custos com o hospital hoje comprometem mais de um terço da arrecadação.

Com a transferência do hospital para o Estado, isso vai dar à Prefeitura de Joinville a possibilidade de mais investimentos em outras áreas, como infraestrutura, o que hoje não é possível em virtude do comprometimento do pagamento da folha e manutenção de um hospital com a grandeza e a complexidade do Hospital Municipal São José, que atende a toda a região Norte de Santa Catarina. Como o São José é um hospital municipal, mas presta um serviço de excelência para mais de 40 municípios, sou a favor da estadualização.

Luzia Fröhlich (Novo)

A favor. O Hospital São José é um centro clinico regional, que atende a população de toda região metropolitana liga a Joinville, não pode o município de Joinville arcar com despesas que compreende ao poder publico de outros municípios.

Matheus Cadorin (Novo)

A favor. No mínimo o estado precisa assumir parte da folha salarial. O HMSJ atua como hospital de toda a região norte e nordeste. Cerca de 30% dos atendimentos são para pessoas de fora de Joinville. O custo da folha gira em torno de R$ 18 milhões/mês. Joinville arca sozinha com este valor. O Hospital é referência em alta complexidade que por lei é atribuição do Estado e o município deve arcar com a atenção básica. Uma das soluções para o São José seria a OS, pois ajudaria, por exemplo, a cortar gastos provenientes da burocracia que envolve o meio público.

Maurício Peixer (PL)

Sou a favor. Hoje a Prefeitura de Joinville investe 40% do orçamento da cidade em Saúde e grande parte vai para o São José, pois ele atende pacientes de praticamente todas as cidades vizinhas. O local tem 269 leitos e está sempre prestando atendimento acima da capacidade. Estudos apontam que o espaço tem uma estrutura de 1,7 mil funcionários, e em média atende até 1,4 milhão de pessoas de Joinville e cidades vizinhas.

O hospital, apesar de ser municipal, atende alta e média complexidade, de responsabilidade do estado. Ao todo Joinville investiu R$ 268 milhões na área da saúde, sendo 22,5% recursos federais, 2,2% estaduais e 75,3% do caixa da Prefeitura. Somente no primeiro quadrimestre de 2022, 39% do orçamento do município foram para a saúde. Com todos esses números é possível justificar a necessidade de que a folha de pagamento do Hospital seja custeada pelo Estado para que a Prefeitura possa ter fôlego e investir recursos em todas as outras áreas.

Desta forma o atendimento permaneceria normalizado e a cidade de Joinville teria mais recursos disponíveis para serem investidos.

Murilo Schmitz (Novo)

A favor. Estar próximo ao prefeito Adriano me possibilitou entender o peso dessa instituição no orçamento do município, em torno de 40%. O HMSJ é referência em diversas especialidades e atende, além de Joinville, muitas pessoas da região, tornando-se uma unidade regional e com grande importância ao governo do estado. Além disso, a cidade de Florianópolis não tem nenhum hospital municipal, por exemplo. Todos são estadualizados, possibilitando que o orçamento municipal tenha mais liberdade e resultados em infraestrutura.

Nandinho Cysne (PDT)

Vou lutar para que o governo do estado assuma o pagamento de, pelo menos, a folha de pagamentos do São José, que é praticamente um hospital regional, porque atende todas as cidades da região Norte, Nordeste, Planalto Norte e outras. É uma reivindicação justa que o hospital receba recursos estaduais para seu custeio.

Nara Simão (Republicanos)

Não vejo motivos para isso. É um hospital de referência em emergências, é preciso sim melhorias, porém não vejo a necessidade de abrirmos de forma estadual.

Pretto (Cidadania)

Todos os hospitais, inclusive os estaduais, precisariam estar sob a gestão do município, porque o sistema é único (SUS). O que precisamos fazer é brigar para que o governo federal mande mais dinheiro para os hospitais da cidade. O Estado já mantém três hospitais em Joinville: o Infantil, o Regional e a Maternidade Darcy Vargas. Fato idêntico acontece em Florianópolis. E o Estado não tem dinheiro para manter um quarto hospital em Joinville (o São José). Por isso, reforço: precisamos é que o governo federal libere mais recursos para os hospitais, sejam eles municipais ou estaduais.

Prof Daniel Westrupp (PDT)

Sou a favor de que o Estado custeie a folha de pagamento do Hospital São José tendo em vista que hoje este hospital atende mais de 130 municípios. 40% do orçamento de Joinville é destinado à Saúde o que inviabiliza a destinação de recursos para outras áreas que não atendem às respectivas demandas.

Professora Vanessa da Rosa (PT)

O Hospital Municipal São José de Joinville é responsável por oferecer serviços de alta complexidade em saúde sendo referência estadual para atendimentos de média e alta complexidade, além de ser o único hospital da cidade que dispõe de pronto-socorro equipado para qualquer tipo de emergência. Também é referência para o atendimento em traumatologia, tratamento intensivo, oncologia, neurologia e no tratamento de Acidente Vascular Cerebral – AVC.

Então, na prática, já podemos dizer que é um hospital regional com gestão municipal. Atende 26 municípios da região do Planalto Norte-Nordeste, cobrindo com atendimento exclusivamente SUS aproximadamente 1,3 milhões de pessoas, o que equivale a aproximadamente 18% da população catarinense. Com essa demanda o município investe a maior fatia financeira que iria para a saúde no hospital, que atende alta complexidade que é de fato responsabilidade de governos estaduais e federais, assim dificultando o investimento na atenção básica de saúde, responsabilidade municipal.

Mas é claro que para que essa discussão avance de modo mais sério e efetivo no âmbito estadual precisamos de maior representação na Câmara de Deputados. Precisamos de representantes que estejam realmente dispostos a fazer essa discussão de forma séria, até mesmo para garantir que o Hospital São José se mantenha 100% público e gratuito, que não sejam necessárias medidas drásticas, como, por exemplo, a entrega do hospital a gestão de Organizações Sociais, que sabemos, vai precarizar o atendimento de qualidade que temos hoje. Defender o SUS é defender o Hospital São José e se para isso seja necessário estadualizar vamos fazer essa discussão.

Renato Pai do Ame Jonatas (PDT)

Como candidato a deputado estadual sou a favor da estadualização do Hospital Municipal São José, que facilitará os recursos destinados para este vindo do governo ao invés de recursos municipais, pois certa de 30% do orçamento da cidade é destinado diretamente ao Hospital, assim poderiam ser utilizados esses recursos do município em outras áreas que também demandam atenção, melhorando, por exemplo, as UBS e os P.A, dando mais qualidade para saúde pública do município de Joinville.

Sabemos que o Hospital São José é referência na região Norte do Estado, atendendo cerca de cem mil pessoas por ano, sendo que quase 30% dos atendidos são de outros municípios, sendo assim estadualizando o Hospital o Governo pode trazer recursos para abranger outros atendimentos e aquisições de aparelhos os quais o município ainda não adquiriu, por exemplo, a máquina de Cintilografia a qual o paciente necessita se deslocar de dentro do hospital para uma clínica privada para realização do exame.

Rodolfo de Ramos (PT)

Não sou contra nem a favor da estadualização do Hospital São José. Sou contra a privatização ou concessão. Entendo que o poder público precisa buscar a melhor solução para o atendimento às pessoas. Como não tenho muito conhecimento nesta área, vou precisar estudar para ver o que é melhor para as pessoas que ali são atendidas e para os profissionais que ali trabalham.

Rodrigo Fachini (Podemos)

Sou municipalista por entender que o município é capaz de resolver melhor e com maior agilidade as necessidades dos cidadãos. O Hospital Municipal São José é um patrimônio do joinvilense, mas que atende toda a região norte/nordeste de Santa Catarina. Defendo que continue municipal com manutenção custeada pelo governo do estado como forma de diminuir o déficit e melhorar os serviços.

E um dos principais compromissos assumidos nesta campanha é trabalhar para construir um hospital geral na zona sul de Joinville, que abriga uma população estimada superior a 200 mil pessoas. Esta é uma situação urgente para atender pacientes principalmente da região nordeste. Como deputado é possível propor a construção de um novo hospital, bem como equacionar os custos de manutenção entre municípios e Estado.

Rosemeire Caetano (PSC)

Não sou a favor por ser o único de responsabilidade da prefeitura. Esta proposta, encabeçada pelos vereadores, a meu ver, tem o único objetivo de deixar mais renda aos cofres públicos para serem aplicados em projetos que, muitas vezes, desconhecemos.

Como profissional da saúde, trabalhando a décadas no município e sabedora das crescentes necessidades dos joinvilenses na área de saúde, entendo que, como maior cidade do estado e de significativa tributação, deve manter sob sua responsabilidade, pelo menos, o seu primeiro hospital, seja por tradicionalmente cuidar dos seus, seja para não depender exclusivamente do Estado quando o assunto se referir a atendimento hospitalares.

Não há valor melhor gasto com o contribuinte do que com sua saúde e com sua educação. Por trabalhar num hospital estadual sei da burocracia e das dificuldades que é estar atrelados a uma estrutura maior (estado) a desencadear uma exigência maior dos profissionais de saúde e reflexos diretos no atendimento dos joinvilenses. Uma cidade desenvolvida não se exime de responsabilidade, mas, cada vez mais, as cria, principalmente, quando estamos nos referindo a algo que impacta os joinvilenses diretamente.

Sales (PTB)

Sou totalmente a favor da estadualização do Hospital São José de Joinville. Primeiro, porque ele atende grande parte de cidades vizinhas, por ser um centro de referência na região, a demanda de pacientes é sempre maior que a sua capacidade de atendimento. O município investe 40% dos impostos arrecadados em gastos com o Hospital São José, o que caracteriza um gasto enorme que poderia ser repassado para outras áreas da cidade, como educação, infraestrutura de postos de saúde, pavimentação, etc. Grande parte dos atendimentos realizados no Hospital São José são de média e alta complexidade, o que caracteriza responsabilidade do estado, por isso o estado deveria arcar com as despesas desses pacientes

A folha de pagamento do hospital gira em torno de R$ 14 milhões e desta forma a conta não fecha. O serviço oferecido nem sempre é o ideal, devido à superlotação e falta de infraestrutura. O governo do estado precisa olhar para esta situação e arcar com uma parte dos custos do hospital. Os profissionais do hospital fazem a sua parte, prestam atendimento a todos que precisam, mas não é justo Joinville arcar com estes custos sozinha.

Sandra Guerreira (PDT)

Sou a favor, porque como Hospital São José é referência, mas não tem verba suficiente para acolher a população, é de suma importância como vários vereadores já pontuaram. E como usuária do SUS concordo com a estadualização do Hospital São José.

Sargento Lima (PL)

O Hospital São José, nosso Zequinha, está longe de ser um estabelecimento municipal. Recebe pacientes de toda a região e faz o atendimento de um hospital regional. Por isso, promovi uma audiência na Assembleia Legislativa, que reuniu os representantes das secretarias municipal e estadual da Saúde e também da Comissão de Saúde da Câmara de Joinville. Estamos trabalhando para que o Estado assuma a folha de pagamento do Zequinha, o que reequilibraria as contas do hospital. O custo do Zequinha seria exclusivo de Joinville se o hospital fosse utilizado apenas por joinvilenses.

Sargento Nobre (Patriota)

Penso na importância do Hospital São José não só para Joinville, como para toda região
nordeste que o utiliza diariamente seus bons serviços, com certeza não é justo só a prefeitura local pagar essa conta, entendo que temos que encontrar o melhor, seja estadualização, aporte financeiro mensal do estado, outra forma de resolver ou diminuir essa problemática, que acaba reduzindo a capacidade de investimento da prefeitura em outras áreas como, por exemplo, na infraestrutura da cidade. Claro que no momento esse aporte local se faz necessário, saúde é prioridade.

Sidney Sabel (União)

Sou a favor de que o estado assuma a folha de pagamento do Hospital, já que Joinville atende toda a macrorregião.

Subtenente Queiroz (Patriota)

Sou favorável a estadualização, desde que possamos nos unir na disposição de verbas entre município, Alesc e Câmara dos Deputados e federais para a criação de mais um hospital municipal, será uma das nossas principais bandeiras.

Tânia Larson (União)

Não sou a favor da estadualização do Hospital Municipal São José. Sou favorável que o Estado assuma mais que a metade das despesas do HMSJ. É necessário que tenha um convênio com o governo do estado. Temos poucos hospitais referência no Estado que tem a estrutura do HMSJ, por isso, se faz necessário essa parceria com o governo. Estamos há anos atendendo a comunidade de várias cidades do estado.

Não é correto a prefeitura assumir toda a folha de pagamento e os custos operacionais, pois a tabela do SUS é muito baixa para a quantidade de atendimento do HMSJ. Portanto, não sou a favor da Estadualização, pois temos exemplo o hospital regional que é do Estado e passa por várias dificuldades.

Os dados que temos hoje são assustadores. Orçamento de saúde do município chega a 53%%. A folha do Hospital São José consome 100% da arrecadação do IPTU, 30% dos atendimentos são de pessoas fora de Joinville, o limite da folha está quase nos 51%. O resultado: não sobra nada para investir em outras áreas.

Tatiana Melo (PTB)

Sou contra. Desonerar a folha da prefeitura não é melhorar a saúde do cidadão, isso não vai acabar com listas de espera e nem melhorar o atendimento, aliás, meu maior temor é piorar ainda mais a qualidade dos serviços prestados aos nossos pacientes. Em realidade o que necessitamos é um novo hospital geral, a cidade cresceu, todos os dias migram pessoas para Joinville, seja de outras partes do país e de países vizinhos que estão sendo destruídos pelo socialismo.

Acredito que toda a região norte vem sentindo o impacto desse fenômeno, a migração. E, a meu ver, pelo que li e vi sobre a estadualização, me parece mais preocupação econômica que preocupação com nossos cidadãos, que coisas mais importantes temos que saúde e educação? Mas se o dinheiro que for “economizado” com o são José for aplicado em uma política de manutenção da saúde para não chegarmos a alta complexidade…Bom aí começa a mudar de tom a conversa. Poderia ser a favor desde que isso fosse garantia de melhoria dos serviços.

Thais Fettback (PSB)

Contra. Estamos falando de um processo que pode virar uma caixa de surpresas com a evolução da política. Atualmente é o único gerido pela prefeitura. Imagine este hospital passando para a gestão estadual, onde teria que dividir recursos políticos com outras instituições? E se, em algum tempo o estado decidir pela manutenção de um hospital em outra cidade em detrimento ao nosso? Como ficaríamos?

Hoje o Hospital Regional divide atribuições com o São José, se qualquer um deles sucumbir ficaríamos sem atendimento em diversas especialidades, pois nenhum tem condições de atender a população em tudo que precisa. Há de se entender que recursos gerados por execução de serviços hospitalares são iguais, pois são de recursos federais. Os demais são conquistados politicamente! Precisamos de mais atuação dos deputados estaduais, eleitos pela região de Joinville, para viabilizar recursos.

Tia Gisele (PTB)

O Hospital São José em Joinville presta serviço a grande parte da região Norte de Santa Catariana, sendo mantido apenas pela cidade de Joinville. Sugerir a contribuição do Estado na folha de pagamento do hospital traria sim um benefício maior para a população na aquisição de materiais e maquinários, compensando o serviço que o hospital presta a grande parte da região e oferecendo um serviço de qualidade ao povo.

Tiago Ronchi (DC)

Sou favorável a estadualização ou federalização da folha do hospital São José por se tratar de um hospital de alta complexidade que atende pacientes de diversas cidades de SC e até de outros estados, considerando que hoje o orçamento municipal está operando no limite ou acima da sua capacidade. É necessário que, no mínimo, o estado tenha maior responsabilidade sobre o hospital.

Turibio Torres (PL)

Sim sou a favor, com isso o hospital São José recebe recursos direto do governo federal dando ao hospital maior capacidade de investimento, com isso melhora atendimento e eficácia.

Wilson Doin (PSC)

Sou a favor que o Hospital São José passe a ser administrado pelo Estado tendo em vista que o mesmo hoje não atende apenas os joinvilenses, mas atende inúmeras pessoas de cidades ao seu entorno, sendo que somente o Município de Joinville arca com as despesas decorrentes do hospital. Importante mencionar que sou a favor da criação de mais um hospital para a região, mas entendo que a organização do hospital regional – que já é da esfera estadual – por ser um hospital muito bem cuidado, com mais recursos o mesmo ocorreria ao Hospital São José que merece também um cuidado maior.

Zelize (Psol)

O Hospital Municipal São José (HSJ) é um serviço do SUS, que oferece atendimento de alta complexidade e enfrenta grande demanda de atendimentos, pois atende Joinville e região. Algumas alas foram fechadas por falta de investimento e recentemente o aparelho mais importante no tratamento de AVC (acidente vascular cerebral – comorbidade da qual o HSJ é referência e ganhou prêmio internacional), quebrou. Os pacientes estão sendo encaminhados para outros serviços que estejam atendendo, onde o tempo de resposta de tratamento é crucial para evitar sequelas irreversíveis.

Posto isso, sou a favor da estadualização do HSJ, pois investir em saúde é salvar vidas. Tanto em equipamento, estrutura e principalmente profissionais, que muitas vezes acabam trabalhando com o que tem na rede e são sobrecarregados com a falta de equipe nos setores. E também, sou contra a privatização, pois, para estes setores, o que importa é o lucro.

Saiba tudo sobre as Eleições 2022:
– Últimas notícias
– Reportagens especiais e dúvidas frequentes
– Nomes, números e informações dos candidatos

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo